Análise da safra brasileira de café e tendências de mercado.

Canal Digital, Podcast

Superintendente Comercial da Cooxupé fala sobre ritmo da colheita, qualidade da safra e a expectativa de produção

Análise da safra brasileira de café e tendências de mercado

por Lúcio Dias / Superintendente Comercial da Cooxupé | Episódio 12

Ícone do player Spotify do podcast Fala, Agro

Spotify

Ouça o podcast fala agro no player toneIn

TuneIn

Ouça o podcast fala agro na player do deezer

Deezer

Ouça o podcast fala agro no podbean

Podbean

Ouça o podcast fala agro no player da apple

Apple

Ouça o podcast fala agro no player da apple

Castbox

De acordo com o último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), a safra brasileira de café 2019/2020 está estimada entre 57,2  e 62 milhões  de sacas de sacfé. Na variedade arábica, a produção está prevista entre 43,2 e 45,9 milhões de sacas.  Já para a variedade conilon a estimativa é de 13,9 e 16,04 milhões de sacas.

No sul de Minas Gerais, principal região produtora do país, a Cooxupé, maior cooperativa de café do mundo, divulgou um boletim que a colheita já atingiu 30% da área de atuação da cooperativa. Conversamos com o Superintendente Comercial da cooperativa, Lúcio Dias, para saber como está o ritmo dos trabalhos até o momento e qual a expectativa para essa safra de café.

Veja abaixo os principais pontos da entrevista. 

Como está o ritmo da colheita do café ?

“De modo geral, a colheita manual no Brasil e na nossa região do sul de Minas Gerais é muito pequena, ela está restrita a algumas cidades mais montanhosas como Conceição da Aparecida, Muzambinho, Cabo Verde, Caconde, Botelhos e Machado, nas outras cidades a colheita é muito mais mecanizada”.

“Tivemos de fato problemas como mão de obra, mas muitos empregos na cidade cessaram e as pessoas vieram trabalhar no campo. Estamos sim com mais dificuldades em relação aos anos anteriores, mas os agricultores estão conseguindo colher o café”.

“A colheita na área de atuação da Cooxupé já atingiu a marca de aproximadamente 30% e nesse mês de julho os trabalhos devem se intensificar bastante. Com isso, devemos ter uma colheita sem grandes problemas, apesar da pandemia”.

Expectativa de produção

“A safra na área de atuação da cooperativa é estimada em 10,3 milhões de sacas de café, a Cooxupé deve receber cerca de 5,6 milhões de sacas, pois, não são todos os produtores que operam com a cooperativa e nem todos os associados entregam café na cooperativa. Muitos deles têm seus próprios negócios”.

“Em suma, devemos receber cerca de 5,6 milhões de sacas de café de cooperados e devemos operar mais 1,5 milhões de sacas de terceiros, totalizando 7,2 milhões sacas de café processados pela Cooxupé”.

Negociações adiantadas

 “Nós percebemos nos últimos anos que os cafeicultores modificaram radicalmente a forma de negociar a produção. Eles têm vendido quando o mercado quer comprar e não quando eles precisam vender. Essa mudança de paradigma tem possibilitado uma maior rentabilidade ao agricultor”.

 “Para se ter uma ideia, cerca de 60% das 5,6 milhões de sacas de café produzidas pelos cooperados já foram comercializadas no mercado futuro. O preço médio ficou 10% acima do preço de mercado hoje, que é de aproximadamente R$500,00 a saca”.

Qualidade da safra de café

“A qualidade dessa safra de café está fantástica. Os produtores de forma geral fizeram bons investimentos e o resultado está aparecendo. O clima também favoreceu a qualidade dos grãos, então de maneira geral, a safra brasileira de café vai ter uma qualidade muito satisfatória”.

“Precisamos parabenizar o trabalho dos produtores que abre cada vez mais novos mercados internacionais para o produto brasileiro”.

Situação dos embarques da cooperativa

 “O ritmo dos embarques da cooperativa no primeiro semestre desse ano foi muito bom. Só não embarcamos mais café porque não tinha, se alguém não acreditava que um dia o café iria acabar este ano acabou”.

 “O mercado funcionou de uma forma muito positiva para a cafeicultura, tivemos o fechamento de bares, restaurantes, cafeterias e hotéis, porém, em compensação o isolamento social e o ”home office” aumentou muito o consumo doméstico”.

 “A indústrias tiveram que comprar mais café verde para fazer o café torrado e moído para oferecer aos seus clientes. Então, o consumo de café foi bom nesse primeiro momento de pandemia. Para o próximo semestre a perspectiva também é muito boa, com muitos contratos já realizados e pouquíssimos embarques fora postergados”.

Últimas notícias

24 de abril, Dia Internacional do Milho

24 de abril, Dia Internacional do Milho

Puro ou como ingrediente de outros produtos, o milho é uma importante fonte energética e econômica para diversos setoresO milho é fundamental para o mundo. Além de ser um dos alimentos mais nutritivos que existem, é fonte de renda para diversos setores. No Brasil, em...

ler mais

Compartilhar

Compartilhe essa notícia com seus amigos!