Alvo frequente de debates, o glifosato é o herbicida mais aplicado no Brasil, país que começou a utilizá-lo em 1970. Dentre as culturas que fazem uso da solução, destacam-se no agronegócio brasileiro: a soja, o milho, o algodão e a cana-de-açúcar.

Sabendo da importância do herbicida para os produtores brasileiros, a Ourofino Agrociência investiu por mais de quatro anos em estudos, avaliações, testes e aplicações para que uma formulação adaptada aos desafios nacionais fosse encontrada. “Buscamos um produto que atendesse ao padrão de qualidade exigido em uma agricultura de alto nível, como a do Brasil. Além disso, que contemplasse características únicas de manejo, como o plantio-direto. E foi desse trabalho que nasceu o Templo, um glifosato premium com exclusivo sistema tensoativo e tecnologia Duo Sal”, explica Luciano Galera, diretor de Marketing, Pesquisa e Desenvolvimento da Ourofino Agrociência.

O trabalho foi desenvolvido em laboratórios de ponta, com equipamentos de última geração que permitem simular e testar o produto nas mais variadas regiões agrícolas do país. “Além de uma estrutura de primeiro mundo, contamos com o suporte de renomadas instituições de pesquisa, como a Unesp de Botucatu (SP), Embrapa e IPT, que por meio de mais de 30 pesquisadores e doutores, nos auxiliaram no trabalho. Nomes como Edivaldo Velini, Caio Carbonari, Jamil Constantin e Rubem Olivério Júnior contribuíram no desenvolvimento do Templo”, explicam Roberto Toledo e Edson Mattos, gerentes de Produtos e de Pesquisa em herbicidas da Ourofino, respectivamente.

E o trabalho foi árduo. Ao todo, 23 protótipos foram desenvolvidos, sendo 13 na 1ª geração e outros dez na 2ª geração, e assim, selecionada a melhor formulação. Richard Feliciano, gerente de PDI da Ourofino, detalha melhor todo o processo. “O Templo promove maior absorção do glifosato pelas folhas e outras partes aéreas das plantas. Além disso, oferece maior tolerância às chuvas em até 2 horas após a aplicação e a dureza da água, com maior velocidade de penetração, absorção e translocação do glifosato. O resultado é uma melhor performance e consistência no controle de plantas daninhas e/ou na erradicação da cana-de-açúcar, oferecendo segurança, economia e maior rendimento operacional com ganhos logísticos, tudo para que a lavoura não dependa do tempo”.

O Templo é recomendado para a soja, o milho*, o algodão*, a cana-de-açúcar, entre outras culturas, integrando assim os programas Focus 360 e o Ciclo 100, ambos da Ourofino.

* Culturas tolerantes ao herbicida glifosato em fase de extensão de registro.

Ficou interessado? Quer saber mais?

Compartilhar

Compartilhe essa notícia com seus amigos!