Manejo de resistência no cerrado.

Canal Digital, Podcast

Uso incorreto de técnicas de manejo pode acelerar a seleção de populações de insetos resistentes

Manejo de resistência no cerrado

por Rafael Pitta - Pesquisador Embrapa Agrossilvipastoril | Episódio 16

Principais Destaques

 

  • Etapas do planejamento

  • Custo de manejo

  • Soluções da Ourofino

  • Ações compementares 

Ícone do player Spotify do podcast Fala, Agro

Spotify

Ouça o podcast fala agro no player toneIn

TuneIn

Ouça o podcast fala agro na player do deezer

Deezer

Ouça o podcast fala agro no podbean

Podbean

Ouça o podcast fala agro no player da apple

Apple

Ouça o podcast fala agro no player da apple

Castbox

O uso de práticas incorretas no manejo de resistência tem ocasionado a seleção de populações de insetos resistentes aos principais grupos químicos de moléculas. Esse fator dificulta o controle de pragas em diversas culturas, ocasionando prejuízos econômicos aos agricultores.

No episódio 16 do podcast Fala, Agro! conversamos com o pesquisador da Embrapa Agrossilvipastoril obre como aplicar os métodos no manejo de resistência adequados para evitar a seleção de insetos resistentes.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista.

Manejo de resistência no cerrado

“O nosso sistema produtivo ele é bem diversificado, o que é ótimo pensando em otimização de recursos em uma mesma área. Por outro lado, isso tem um custo do ponto de vista da fitossanidade e exige mais intervenções de controle e é nesse ponto que o problema da resistência se agrava. Quando uma área é mal manejada a pressão de seleção para a resistência evolui muito rápido, pois, o inseto tem uma capacidade de adaptação muito elevada. Se o produtor insistir em utilizar sempre produtos de um mesmo grupo químico a resistência de determinadas populações de insetos pode ocorrer de forma muito rápida”.

Estratégias para uso de aplicação sequencial

“Primeiro, é preciso analisar se a aplicação sequencial realmente é necessária. No caso do bicudo-do-algodoeiro (Anthonomus grandis) a aplicação sequencial é necessária. Entretanto, em outros casos como o percevejo, a prática é desnecessária. Ou seja, é preciso ter em mente que a aplicação sequencial pode favorecer o processo de resistência e ,portanto, ela deve ser utilizada quando for realmente necessária”.

“Outro fator importante  é que o grupo químico deve ser usado dentro de uma mesma geração do inseto. Por exemplo, um inseto que tem um ciclo de 15 dias para troca de geração é preciso realizar a aplicação sequencial dentro desse período. Ou seja, é importante conhecer a biologia do inseto para ter uma noção de qual é a janela da aplicação sequencial”.

“Eu não vejo como adequado a redução de dose ,pois, na recomendação da bula já tem as especificações de segurança para controle efetivo do alvo”. O uso de sub dose, tecnicamente, não é a melhor escolha

Danos econômicos

“No Brasil, nós não temos dados científicos a respeito do prejuízo econômico que uma população de insetos resistentes pode causar na lavoura. Porém, esse número sem sobra de dúvidas é alto. Uma conta básica que eu costuma fazer é a seguinte: levando em consideração que a área de plantio de soja no Mato Grosso é de aproximadamente 10 milhões de hectares, se tivermos uma falha na aplicação de resistência dá para ter uma ideia da magnitude do prejuízo que a resistência pode causar. Podemos pensar em R$50,00 por hectare vezes 10 milhões de hectares. Com isso, podemos ter uma ideia da importância do manejo de resistência na agricultura.

“Além do gasto do produto, temos ainda a queda de produtividade na lavoura, pois, se a aplicação foi realizada no momento que não era necessário e sem eficácia será preciso uma nova aplicação. Entretanto, já terá ocorrido algum dano na lavoura”.

Ações complementares

 “Uma das formas de fazer o manejo de resistência é o Manejo Integrado de Pragas (MIP). Agora, algo que vem antes dos preceitos do MIP é o monitoramento e os níveis de controle.  Uma vez que o nível de controle é atingido, ou seja, essa praga precisa ser manejada aí sim eu devo ir para as ferramentas de controle. Nesse sentido, temos o controle químico, controle biológico com o uso de feromônios e plantas resistentes”.

 “As vezes o produtor trabalha com tecnologia Bt e utilizada inseticidas, mas isso não significa que ele está realizando o manejo integrado de pragas. Se ele não fez o monitoramento correto e não respeitou nível de controle o simples fato de integrar técnicas não consiste em manejo integrado de pragas. Pois, ele irá realizar várias aplicações, aumentar os custos e pode até intensificar o processo de seleção de insetos resistentes”.

Últimas notícias

24 de abril, Dia Internacional do Milho

24 de abril, Dia Internacional do Milho

Puro ou como ingrediente de outros produtos, o milho é uma importante fonte energética e econômica para diversos setoresO milho é fundamental para o mundo. Além de ser um dos alimentos mais nutritivos que existem, é fonte de renda para diversos setores. No Brasil, em...

ler mais

Compartilhar

Compartilhe essa notícia com seus amigos!