Mercado de sementes de soja cresce com o avanço da biotecnologia

Canal Digital, Destaques, Perfil

** Data da pubicação 16/07/2021

Mercado de sementes de soja movimentou R$11,2 bilhões na safra 2019/2020, alta de 7,5% em comparação com o ciclo anterior.

O mercado de sementes de soja está em franca expansão e isso se reflete na safra brasileira de soja 2021/2022 que deve atingir 135,9 milhões de toneladas, o que significa um novo recorde para a cultura no Brasil. Os números fazem parte do 10º levantamento do boletim de grãos da Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab.

O investimento em práticas de manejo e a incorporação de novas tecnologias, principalmente no mercado de sementes de soja, com foco no desenvolvimento de cultivares e do avanço da biotecnologia, proporcionaram ao setor produtivo ganhos de produtividades exponenciais.

Na safra 2019/2020 o mercado de sementes de soja movimentou R$11,2 bilhões, volume 7,5% superior em comparação com ciclo 2019/2020. Os dados são do estudo BIP Soja Sementes, realizado pela Spark Inteligência Estratégica.

Segundo Kleber Sosnoski, Diretor de Produção da empresa Sementes Eliane, uma das principais sementeiras do oeste da Bahia, a procura por sementes tratadas deve aumentar nos próximos anos. “O aumento na produção de soja e da área cultivada são os grandes fatores irão alavancar as vendas. Temos batido recordes de vendas ano após ano”.

Principais Destaques

Biotecnologia e melhoria de variedades

Avanços no sistema de produção de sementes

A importância do tratamento de sementes no manejo integrado de pragas

Uso de sementes piratas e problemas fitossanitários

A importância do tratamento de sementes no manejo integrado de pragas (MIP)

A biotecnologia e o tratamento de sementes tornaram-se ferramentas importantes no Manejo Integrado de Pragas (MIP), auxiliando a proteção e o estabelecimento inicial da lavoura. “Na região do MATOPIBA, a entrada da biotecnologia facilitou o manejo de algumas pragas de difícil controle, como, por exemplo, a lagarta-elasmo (elasmopalpus lignosellus) e outras pragas de solo”, pontua Kleber.

A produção de um cultivar de qualidade, com alto vigor e germinação, inicia no plantio, selecionando as melhores sementes, explica Kleber Sosnoski. “O objetivo é que nosso campos tenham uniformidade e maturidade para proporcionar aos produtores o máximo de potencial genético, de vigor e germinação das nossas sementes”.

Mercado de sementes de soja: mais que um grão!

O processo de desenvolvimento dessas sementes envolve um grande aparato tecnológico. “Na Sementes Eliane, investimos pesado em treinamento, atualização de maquinário, como plantadeiras, colhedeiras, além de toda a indústria de beneficiamento até a secagem”, conta o diretor.

Ainda de acordo com Sosnoski um fator que interfere na qualidade do produto é o ponto de colheita da semente. “É preciso retirar a semente do campo na hora certa para que ela possa proporcionar bons resultados ao produtor”.

O diretor destaca ainda a importância do processo do tratamento industrial que complementa o pacote tecnológico da semente. “Trabalhamos com empresas parceiras altamente qualificadas. Qualquer problema é reportado instantaneamente para a central, nos Estados Unidos, para que seja feita a correção no maquinário e as atualizações no software. Tudo isso torna o processo muito dinâmico e preciso.”

Uso de sementes pirata

Apesar da qualidade da semente ser fundamental para o desenvolvimento da lavoura, o uso de materiais sem certificação ainda é grande no Brasil. As sementes piratas podem causar graves problemas fitossanitários, como por exemplo, difundir doenças e plantas daninhas, além apresentar baixar germinação e vigor, ocasionando quedas de produtividade.

A Associação Brasileira de Sementes e Mudas, ABRASEM, estima que cerca de 30% das sementes lançadas ao solo, a cada ano, sejam ilegais. “Ao utilizar uma semente sem certificação o agricultor está colocando em risco sua própria produção, além de desestimular a pesquisa e o desenvolvimento de novas cultivares, prejudicando todo o mercado de sementes de soja”, reforça Kleber Sosnoski.

Últimas notícias

Compartilhar

Compartilhe essa notícia com seus amigos!