Curiosidades sobre a lagarta do cartucho

Conhecida popularmente como lagarta do cartucho a Spodoptera frugiperda é uma das principais pragas da cultura do milho. A lagarta é um inseto polífago, capaz de se alimentar de diversos tipos de plantas e apresenta enorme potencial de dano.

Nos últimos anos, a incidência desta lagarta tem crescido substancialmente. Segundo a EMBRAPA, entre os motivos, está o aumento do uso de variedades de soja transgênicas, resistentes às principais espécies e lagartas, o que faz com que muitos agricultores não realizam o manejo químico, favorecendo a infestação das espécies do gênero Spodoptera, em especial a frugiperda.

Nome científico: Spodoptera frugiperda

Nomes populares: lagarta do cartucho, lagarta militar

Danos: a lagarta do cartucho ataca principalmente as estruturas reprodutivas da planta, e também hastes, plântulas e pecíolos.

Principais culturas alvo 

Algodão

Couve-flor

Milho

Mandioca

Pastagem

Trigo

Principais características e potencial de dano da lagarta do cartucho

Essa praga está presente em todas as regiões produtoras. Para diferenciar a lagarta do cartucho de outras lagartas o produtor deve ficar atento a algumas características. Em primeiro lugar, observe se a lagarta tem a cabeça escura com uma marca clara em formato de “Y” de cabeça para baixo na fronte. Outra característica peculiar é que ao longo do corpo, o inseto possui um padrão de quatro pontos elevados, quando visto de cima. No penúltimo segmento corpo ela apresenta quatro pontos escuros, que formam um quadrado. Na região torácica, a praga possui três pares de pernas e outros cinco pares de falsas-pernas no abdome. Se não controlada, a praga pode chegar à 50mm.

Outro aspecto relevante é que seus ovos tem coloração verde-clara e tornam-se alaranjados com o tempo. Já as larvas, inicialmente, são claras e passam para pardo-escuro até ficarem quase pretas. As larvas podem provocar danos severos e levar a queda da planta.

Além de destruir o cartucho das plantas, as lagartas dessa espécie raspam e perfuram as folhas e danificam também as espigas. Os ataques ocorrem próximo à época de florescimento e se intensificam em épocas secas.

Ciclo de vida da lagarta do cartucho

Os ovos tem duração de dois a três dias e a mudança para a larva ocorre em um período de 12 a 30 dias, dependendo da temperatura. A transformação em pupa é feita no solo, com duração de 10 a 12 dias. O inseto, emerge do solo em sua fase adulta, com 35 mm de envergadura, em média.

*Clique na imagem para expandir

Ciclo de vida da lagarta do cartucho

Como controlar a lagarta do cartucho?

  • Controle químico:

Um das principais estratégias para o controle dessa lagarta é o uso de inseticidas. A Ourofino Agrociência apresenta em seu portfólio quatro soluções para o manejo dessa praga, são elas: BrilhanteBR®, Capataz®  Goemon® e UnânimeBR® Entretanto, há um fator que deve ser levado em consideração: a rotação de mecanismos de ação. Ao utilizar somente um produto contra as pragas, a chance da lagarta se tornar resistente é muito grande. Portanto, é importante que o agricultor renove o seu leque de produtos continuamente, evitando a resistência das pragas. 

  • Tratamento de sementes:

O tratamento de sementes é uma prática que ajuda no manejo  preventivo e retarda a aplicação foliar. Em  áreas com o histórico de presença da lagarta do cartucho é  fundamental para iniciar o cultivo de uma lavoura sadia.

  • Monitoramento:

O monitoramento é fundamental para determinar o nível de ação da praga. Uma das iniciativas nesse processo é o uso de armadilhas de feromônio. Recomenda-se utilizar uma armadilha por hectare e o nível de controle ocorre quando a armadilha capturar três mariposas.

  • Rotação de culturas: 

A alternância de culturas em uma mesma área durante o ano é uma boa oportunidade para o agricultor manter o solo fértil e também reduzir o inóculo para importantes doenças, diminuindo assim a pressão da doença na região. Essa rotação é comum em lavoura de soja e milho, onde os agricultores aliam as diferentes épocas de produção à saúde do solo e também garantem ganhos econômicos durante o ano todo. 

  • Cultivares resistentes:

A adoção de cultivares geneticamente modificadas também é uma boa medida a ser utilizada, uma vez que a planta apresenta a proteína que é capaz de controlar determinada praga. Na soja, a utilização da biotecnologia surgiu na safra 2013/2014 e teve um percentual de utilização de cerca de 4%. Já na safra 2019/2020 esse número aumentou para 70% de toda a área de soja cultivada no Brasil.

Produtos para controle

BrilhanteBR ®

Culturas:
Algodão |Batata |Brócolis |Couve |Milho |Soja |Tomate |Trigo |
Ingredientes Ativos:
Metomil 215 g/l

Capataz ®

Culturas:
Algodão |Café |Citrus |Milho |Pastagem |Soja |Tomate |Trigo |
Ingredientes Ativos:
Clorpirifós 480 g/L

Goemon ®

Culturas:
Café |Milho |Soja |Tomate |
Ingredientes Ativos:
Ciclaniliprole 50 g i a/L

UnânimeBR ®

Culturas:
Algodão |Arroz |Citrus |Feijão |Fumo |Milho |Soja |
Ingredientes Ativos:
Diflubenzuron